Olho no olho!!!

22 de maio de 2013 12 comentários
Olá, mamães...

Todas as mães sabem que existem exames e testes feito quando o bebê nasce, no hospital mesmo, antes da alta. Os exames mais conhecidos é do pezinho, talvez seja porque é obrigatório em território nacional, onde pode-se detectar doenças tais como:

Fenilcetonuria: Distúrbio genético no qual um dos aminoácidos presentes no leite pode prejudicar a saúde do bebê causando retardo mental grave.

Galactosemia: A galactose presente no leite causa, nas crianças com galactosemia, um quadro grave marcado por catarata, convulsões e diarreia.

Hipotireoidismo: A falta do hormônio produzido na glândula tireoide causa deficiência mental e retardo de crescimento.

Hiperplasia Adrenal: Distúrbio no metabolismo que pode levar à desidratação aguda e na menina, a masculinização dos órgãos genitais.

Fibrose Cística: Doença genética que causa problemas respiratórios e gastrointestinais crônicos.

Deficiência de Biotinidase: A carência da biotina pode levar a convulsões, falta de equilíbrio, hipotonia, lesões na pele, perda de audição, retardo no desenvolvimento e acidose metabólica.

Toxoplasmose: Infecção adquirida pela gestante que, se transmitida ao feto, pode causar microcefalia, lesões oculares entre outros.

G6PD: A deficiência de Glicose-6-Fosfato Desidrogenase é a enzimopatia mais comum podendo apresentar grave icterícia neonatal ("amarelão") ou anemia hemolítica (ruptura dos glóbulos vermelhos).

Rubéola: Infecção viral transmitida pela mãe ao feto que pode causar deficiência mental, retardo no crescimento, deficiência auditiva, defeitos cardíacos, catarata, lesões ósseas e outros problemas.

Anemia Falciforme: As hemoglobinopatias são doenças causadas por anormalidades na estrutura molecular ou na produção da hemoglobina "S". Crianças com hemoglobina anormal são altamente suscetíveis à anemia e infecções.

MCAD: Distúrbio Genético que interfere na utilização dos Ácidos Graxos como fonte de energia para o organismo. É uma doença genética potencialmente fatal que pode provocar o quadro de Síndrome da Morte Súbita.

Sífilis: A criança que adquire essa doença durante a gestação pode apresentar, ao nascimento, problemas de pele, ossos, baço, fígado e sistema nervoso. Em alguns casos, a doença só se manifesta após alguns anos.

Citomegalovirose: Entre as manifestações associadas à infeção congênita pelo citomegalovírus estão a hidrocefalia, calcificações cerebrais e sequelas visuais, auditivas e mentais.

Doença de Chagas: Parasitose que, quando adquirida na gestação, pode se manifestar por anemia, febre, dores musculares, lesões ósseas e graus variados de problemas cardíacos.

AIDS: A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida pode ser transmitida ao feto pela mãe contaminada pelo vírus HIV.

Pesquisa da Mutação 35delG da Conexina (Surdez Congênita não Sindrômica): A mutação 35delG do gene da Conexina 26 é uma das causas mais comuns de Surdez Congênita não Sindrômica. Seu modelo de herança é autossômico recessivo. Em países desenvolvidos, 60% dos casos de surdez tem origem genética.

Espectrometria de Massa em Tandem: A Espectrometria de Massa em Tandem é uma técnica que permite uma extensa pesquisa relacionada a Erros Inatos do Metabolismo dos ácidos orgânicos e dos aminoácidos.


Outro teste é o da orelhinha, que também é um teste rápido, simples e fácil de ser realizado. Ele é realizado com o bebê dormindo, por sono natural, não há contra indicação, indolor, e dura em torno de 10 minutos. 

Tem bebês que tem predisposição pra ter algum problema de audição. Que são aqueles bebês com histórico na família ou que tenha passado por algum problema como intervenção em UTI por mais de 48 horas, infecção congênita (rubéola, sífilis, toxoplasmose, citomegalovirus e herpes), anormalidades craniofaciais (má formação de pavilhão auricular, fissura lábio palatina), fez uso de medicamentos ototóxicos, entre outros. 

Agora o teste que é menos famoso é o teste do olhinho O teste do olhinho (ou o teste do reflexo vermelho) é um exame que deve ser realizado com o bebê na primeira semana de vida, de preferência quando o bebê ainda não recebeu alta do hospital. E assim, pode detectar ou prevenir várias patologias oculares. 

Como os outros testes é um exame super fácil, não dói, não usa nada na vista do bebê, como o colírio e dura de 2 a 3 minutinhos. Usa-se uma luz que sai de um aparelhinho, parecido com uma lanterna assim pode-se ver o reflexo que vem das pupilas. E quando a retina é atingida por essa "luzinha", os olhinhos com saúde refletem de volta tons avermelhados, alaranjados e amarelados.

Já quando o resultado tem alguma alteração, não terá reflexos ou mesmo sua qualidade é ruim, talvez esbranquiçada.  Assim, podendo obter informações importantes, como a diferença de grau dos dois olhinhos e mesmo o estrabismo. 

A minha filha não realizou esse exame, mesmo eu sabendo da existência dele. No hospital não realizavam. Mas, depois de algum tempo, foi realizado o exame de "fundo de olho", que é o jeito mais vulgar de chamar esse mesmo exame. 

Tínhamos  preocupação, porque eu uso óculos desde os 6 anos de idade, e a família do marido toda tem problemas de vista, como descolamento de retina, catarata entre outras. Mas, o marido não tem problemas, apenas usa óculos de descanso. Minha filha não teve nenhum problema, graças a Deus!!!

É bom sempre informar as mamães dos testes que podem ajudar a detectar problemas que às vezes é bem simples de resolver.


Beijinhos,




12 comentários:

  • Divagações da Mamãe Tê disse...

    Carol, acho que nem todo hospital deve fazer tudo. E a gente desavisada e mãe de primeira viagem fica a ver navios, mesmo pq confiamos em tudo que fazem por trás.

    Quanta doença poderia ser prevenida ou tratada de imediato se todos fizessem corretamente todos os testes.. Mas como saber né?

    Boas informações. Beijos Tê

  • Isabelle Joanne disse...

    Eu nem sabia que tantas doenças podiam ser prevenidas com o teste do pezinho. Desejando que a saúde do Brasil cresça e melhore a cada dia mais, se Deus quiser.

    Beijos
    http://irmacorujando.blogspot.com.br/

  • Larissa Andrade disse...

    Oi Carol,
    Bacana vc detalhar a importância do teste do pezinho, bem como informar quanto ao teste da orelhinha e do olhinho. Se tivermos conhecimento desde cedo sobre tanta coisa, é possível prevenir muitas outras.
    Beijos,
    Larissa Andrade.

    http://maternidadeecotidiano.blogspot.com.br/

  • Trícia disse...

    Minha filha não fez nenhum exame no hospital. Agora do segundo vou estar mais atenta e cobrar isso. De qualquer forma já me informei dos valores dos outros exames na rede particular. Uma pena que a rede pública não disponibilize todos os exames.

Postar um comentário

Quando você comenta, também participa do Mamães em Rede! Comente, participe, pergunte. Obrigada!

 

©Copyright 2012 - Todos os Direitos Reservados - Mamães em Rede | Design By Arte Design